Nikki Flow «nem todas oportunidades são de boa fé, algumas vêm com assédio»

0

Nikki Flow, é mais um nome do rap angolano que chamou a nossa atenção, por varias razões que poderão perceber durante a leitura desta entrevista, mas, a razão principal prende-se ao facto de Nikki ter agradado os nossos ouvidos com o seu EP que lançamos aqui, intitulado “Regresso da Patroa” associando isso a idade que tem.

nikkiiQuem é a Nikki Flow e porque o rap como estilo musical?
Nikki Flow é uma rapariga angolana de 17 anos de idade que tem como nome de registo Weza Verónica Alberto Carlos, residente em Lisboa (Portugal), estudante, amante e fazedora do estilo musical rap à 5 anos. Escolhi o rap como estilo musical para ser feito por mim, porque é o estilo em que mais me enquadro, é um dos vários estilos que eu mais ouvia enquanto crescia, e foi com ele com que mais me identifiquei.

Quais as suas pretensões com o rap, tendo em conta a idade que tens?
Tendo em conta a idade que tenho, tenho muitas ambições no mundo musical, sendo uma delas como a de todos ou a maior parte dos rappers, sair do anonimato e levar a minha música além fronteiras e não só. Pretendo mudar mentalidades com a música que faço, exprimir o que sinto e tirar este rótulo que foi colocado de “rap feito por homens” e “Rap feito por mulheres” mostras que apesar de sermos de géneros sexuais diferentes isso não implica dizer que as mulheres não são capazes de fazer o rap como ou melhor que os homens, porque apesar de ser um estilo feito maioritariamente por homens, não deixa de ser um estilo musical e unisexo como outro qualquer.

Quais são as suas referências (pessoas) como MC? O que te inspira na hora de compor e interpretar?
Tenho como referências o meu pai, sendo que ele também é músico e uma óptima pessoa, e também a Nicki Minaj além de ser uma cantora internacional, eu lhe considero uma grande mulher, e muito corajosa, por isso ela foi também uma grande impulsionadora na formação da carreira e do estilo da Nikki Flow. Antes de compor alguma música, primeiramente analiso o beat, depois baseando-me em histórias verídicas vividas por mim ou por pessoas que estão ao meu redor eu escrevo de forma minuciosa, tentando assim contar uma história ou passar alguma mensagem.

Tens algumas referencias quanto ao rap feito em português?
No rap feito em Português tenho como referências a Eva Rapdiva, Girinha e o Abdiel.

Gostaria que escolhesses três nomes do rap feito por mulheres e gostaria que fundamentasses as mesmas.
Vou começar pela Eva RapDiva, que para mim além de ser uma das minhas primeiras fontes de inspiração e a mulher que me fez entrar para o movimento do rap nacional, é também uma Mulher com M maiúsculo. Muito batalhadora, inteligente, e talentosa. Gosto muito dos seus trabalhos e da sua habilidade, ela é determinada e faz musicas agradáveis aos ouvidos de muita gente incluindo os meus. É sem dúvida uma rapper com quem eu gostaria de trabalhar. Vanda MãeGrande, para mim, é uma rapper também com imenso potencial, que apesar de só ter chegado aos nossos ouvidos recentemente, eu percebo que ela terá uma carreira brilhante enquanto rapper, porque ela é boa no que faz e é claro uma ameaça para muitas raparigas que fingiam ser rappers. Também admiro-a bastante, sem dúvida um feat com ela seria muito bem vindo, mulher batalhadora e óptima representante do rap feminino feito em angola. E por fim a Girinha, uma rapper repleta de conhecimentos, defensora do rap e que admira-me bastante porque com o seu esforço e talento conquistou o respeito de muitos. Extremamente talentosa, trás rimas com conteúdo com o seu jeito único de cantar, e para agrada todo o people que lhe ouve. E como todas rappers que admiro também gostaria de trabalhar com ela.Nikki

Sentes que de alguma forma o género te limita?
Não totalmente. Eu acho que no meu caso até ajuda mais, porque sendo uma mulher a fazer um estilo feito maioritariamente por homens, cria em algumas pessoas um interesse maior em ouvir como faço, e por vezes surgem mais oportunidades sendo que são poucas as que fazem rap e é sempre uma surpresa para quem ouve. Em contrapartida, tenho de ser sempre muito cuidadosa porque nem todas as oportunidades que surgem são de boa fé, e algumas vêm acompanhadas com o assédio que põem em risco a dignidade e o respeito, tenho de ser cuidadosa também com a escrita, não posso usar imensas expressões pesadas como um homem faria, porque aos ouvidos da maioria não soa nem uma “mulher” usar palavrões.

Conte-nos a história deste teu EP e o porquê deste titulo?
O meu Ep foi lançado só no passado mês de Julho, mas eu já tinha nos meus planos o lançamento de um Ep ou mixtape, mas primeiro tive que priorizar os estudos, para poder ter tempo suficiente para a composição e gravação do meu do Ep. No mesmo abordei sobre diferentes temas, e saí uma bocado da minha zona de conforto que é o “skill” e optei por fazer mais músicas com alguma mensagem e também R&B. O Título “Regresso da Patroa” , deve-se ao facto de patroa ser o meu AKA, e porque como já havia mencionado, eu dei uma pausa na música por causa dos estudos, e regressei em grande lançando o meu primeiro Ep que muitos esperavam.

Nikki-Flow-–-lança-ep-“Regresso-da-Patroa”

Projectos futuros.
Pretendo lançar uma mixtape brevemente, realizar os videoclipes de algumas faixas do meu Ep, e em 2017 começar uma vida ainda mais activa no mundo da música, fazendo shows, participações e etc. Podendo começar a expandir o meu trabalho de uma forma maior e melhor com eu sempre quis.

Um ultimo recado.
Desde já, agradecer todos aqueles que me têm apoiado, porque é graças a este apoio que me mantenho motivada, e um dia conseguirei atingir os meus restantes objectivos como rapper, e dizer que continuem atentos e a partilhar as minhas cenas, porque ainda há muita coisa por vir, eu não vou parar por aqui e espero que continuem a acompanhar e a dar esse suporte ao que faço porque é muito gratificante.

 
Baixe AQUI o EP

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.